20.3 C
Brasília
sexta-feira, fevereiro 26, 2021

Economia: atraso na vacinação custará 270 mil empregos e 1,5 ponto do PIB ao Brasil

Leia Também

Jonas Mellohttps://www.jornaldelesteaoeste.com/
Jornalista radialista e editor-chefe do Jornal de Leste a Oeste e do blog do Jonas Mello

 

 
 
A Asa Investments, gestora do Grupo Safra liderada por Carlos Kawall, ex-secretário do Tesouro Nacional, calcula que o crescimento do PIB, em 2021, pode ser mutilado em 1,5 ponto percentual neste ano, por causa da demora do governo em iniciar a vacinação em massa contra o coronavírus. Além disso, a Asa estima que 270 mil empregos poderão deixar de ser gerados neste ano, porque, sem a imunização do percentual adequado de brasileiros, medidas de isolamento social continuarão prejudicando setores importantes, como o varejo e os serviços.
 
Em seu cenário básico, a Asa estima que a vacinação comece no fim de janeiro. No ritmo de 700 mil pessoas por dia, a gestora calcula que seriam necessários cinco meses para o Brasil imunizar todos os grupos prioritários, como profissionais da saúde e idosos. Assim, haveria chances de as medidas de isolamento social começarem a ser relaxadas no terceiro trimestre. Nessa situação, o cenário básico da Asa projeta um crescimento de 2,2% para o PIB neste ano.
 
Experiência acumulada
 
Mas o cenário piora, à medida que o início da vacinação é adiado. “Um simples exercício contrafactual, por exemplo, sugere que, em um trimestre, a manutenção de um nível de redução de mobilidade tal como o observado agora no Brasil reduz o PIB naquele trimestre entre 1 a 1,5 ponto percentual, na comparação trimestral dessazonalizada”, afirma o relatório da Asa.
“Como nosso cenário base é de crescimento do PIB de 2,2% em 2021, poderíamos cair para um crescimento em torno de 1,5%, com consequente elevação da taxa de desemprego esperado para o ano em torno de 0,3 pontos percentuais (270 mil empregos gerado a menos)”, acrescenta a gestora.
- Advertisement -

Ùltimas Notícias

Auxílio Emergencial: veja as principais mudanças do novo pagamento

      A volta do auxílio emergencial já é oficial, segundo o governo federal. No entanto, para o retorno é preciso estabelecer o financiamento do programa,...