20.3 C
Brasília
sábado, março 6, 2021

Mais de 2 milhões de contribuintes já enviaram declaração do Imposto de Renda

Na primeira semana de entrega da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), 2.020.909 contribuintes acertaram as contas com o Leão. Isso equivale a 6,12% do previsto...

Governo quer aprovar novo auxílio em 3 semanas no Congresso Nacional

Leia Também

Mais de 2 milhões de contribuintes já enviaram declaração do Imposto de Renda

Na primeira semana de entrega da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), 2.020.909 contribuintes acertaram as contas com o Leão. Isso equivale a 6,12% do previsto...

Guedes anuncia antecipação de 13º de beneficiários do INSS

  Pelo segundo ano consecutivo, os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) receberão o décimo terceiro salário de forma antecipada, disse há pouco...

Índia, Brasil e Rússia são os países que mais aceleram o ritmo da vacinação

A Índia, o Brasil e a Rússia são os três países que mais elevaram o ritmo de vacinação contra a COVID-19 neste mês de março. Segundo dados do Our World in Data, a Índia, grande...

COVID-19: Brasil vacinou 7,9 milhões de pessoas com 1ª dose

  O Brasil vacinou pelo menos 7.858.792 pessoas com a 1ª dose de imunizantes contra o coronavírus até as 17:00 horas de 30 minutos de sexta-feira...
Jonas Mellohttps://www.jornaldelesteaoeste.com/
Jornalista radialista e editor-chefe do Jornal de Leste a Oeste e do blog do Jonas Mello
auxilio emergencial abr Governo quer aprovar novo auxílio em 3 semanas no Congresso

 

Depois do “consenso” fechado entre os presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, e ministros, o governo tentará aprovar a proposta que viabilizará o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial em três semanas. Segundo o Estadão apurou, esse é o prazo com que a equipe econômica trabalha para a aprovação do que o ministro da Economia, Paulo Guedes, chama de “novo marco fiscal“, que seria composto pela inclusão, na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do pacto federativo, de uma cláusula de calamidade pública (uma espécie de PEC de Orçamento de Guerra, semelhante à aprovada no ano passado).

Isso permitirá retirar os gastos do auxílio emergencial de regras fiscais, como o teto de despesas, mas criaria condicionantes, como medidas automáticas de contenção de gastos. Como mostrou o Estadão no sábado (13/02), o alcance das medidas ainda está em discussão entre o Ministério da Economia e a área política devido à urgência para a aprovação da “PEC da guerra“. Medidas mais duras poderão ficar para uma segunda PEC fiscal, para ser votada até o fim de julho.

Na sexta-feira, após a reunião com Guedes que selou o acordo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), disse que apresentaria ao colégio de líderes uma proposta do texto, que, para o governo, deverá ser aprovado pelo Congresso Nacional até o início de março. Com isso, a expectativa é que a primeira parcela do novo auxílio seja paga ainda no próximo mês.

- Advertisement -

Ùltimas Notícias

Mais de 2 milhões de contribuintes já enviaram declaração do Imposto de Renda

Na primeira semana de entrega da declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), 2.020.909 contribuintes acertaram as contas com o Leão. Isso equivale a 6,12% do previsto...

Guedes anuncia antecipação de 13º de beneficiários do INSS

  Pelo segundo ano consecutivo, os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) receberão o décimo terceiro salário de forma antecipada, disse há pouco...

Índia, Brasil e Rússia são os países que mais aceleram o ritmo da vacinação

A Índia, o Brasil e a Rússia são os três países que mais elevaram o ritmo de vacinação contra a COVID-19 neste mês de março. Segundo dados do Our World in Data, a Índia, grande...

COVID-19: Brasil vacinou 7,9 milhões de pessoas com 1ª dose

  O Brasil vacinou pelo menos 7.858.792 pessoas com a 1ª dose de imunizantes contra o coronavírus até as 17:00 horas de 30 minutos de sexta-feira...