20.3 C
Brasília
segunda-feira, abril 12, 2021

Segundo site, Pazuello terá novo cargo no Planalto

  Após deixar o Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello vai assumir um novo cargo no Palácio do Planalto. A informação é de O Antagonista. De acordo com o site,...

Pacheco diz que CPI da COVID-19 “não é para investigar o presidente Bolsonaro”

Leia Também

Segundo site, Pazuello terá novo cargo no Planalto

  Após deixar o Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello vai assumir um novo cargo no Palácio do Planalto. A informação é de O Antagonista. De acordo com o site,...

“Ministro é executor de decisões do presidente”, diz Mourão sobre novo ministro

  Nesta terça-feira (16/03), o vice-presidente Hamilton Mourão declarou que qualquer um que ocupe o cargo de ministro é "executor" das decisões tomadas pelo presidente da República....

Congresso promulga PEC Emergencial, que viabiliza retomada do auxílio emergencial

  O Congresso Nacional promulgou em sessão solene nesta segunda-feira (15/03) a Proposta de Emenda à Constituição conhecida como PEC Emergencial, que viabiliza a volta...

Pazuello vai pedir pra sair

    O presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro vai trocar nos próximos dias o comando do Ministério da Saúde, hoje a cargo do general Eduardo Pazuello....
Jonas Mellohttps://www.jornaldelesteaoeste.com/
Jornalista radialista e editor-chefe do Jornal de Leste a Oeste e do blog do Jonas Mello

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse que “o foco do Senado é o enfrentamento da pandemia”

 

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM/MG), disse na segunda-feira (01/02), que a CPI aberta no Senado para investigar ações no enfrentamento da pandemia “não é para investigar o presidente da República” e que não quer ver o “circo pegar fogo”. “Essa CPI que existe é para apurar fatos relacionados a Manaus, ao Amazonas. Não é para investigar o presidente da República”, afirmou em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

Pacheco disse que a instalação da CPI da COVID-19, que tem assinatura de 31 senadores, seria “contraproducente”, pois as comissões temáticas estão paradas em função do trabalho remoto no Senado, e evitou tecer críticas ao presidente Jair Messias Bolsonaro“Eu prefiro me apegar às políticas públicas do Ministério da Saúde e confiar, ser colaborativo… Não significa que eu concordo com tudo, não significa que concordo com determinados comportamentos e já disse aqui que não concordo. Mas eu tenho que confiar nessa política pública”.

Quando perguntado qual seria a política pública do Ministério da Saúde, Pacheco disse que se referia à política de vacinação. “A opção feita, que eu não vou dizer que é só do governo federal, que veio também do governo de São Paulo, de se ter uma produção própria no Brasil através da Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ  e do Instituto Butantan. É isso que nos dará escala, não vou dizer suficiente, porque suficiente será vacinar toda a população brasileira… Mas esta política foi uma decisão acertada”.

O senador também defendeu a participação da iniciativa privada na aquisição de vacinas para doação ao Sistema Único de Saúde – SUS. “É algo inteligente e necessário para o Brasil neste momento”. Ainda, na contramão de posicionamentos de Bolsonaro, Pacheco reconheceu que “faltou agilidade” para assegurar vacinas e que a população brasileira sabe que “a ciência resolverá o nosso problema”.

“A população brasileira, eu tenho absoluta convicção, que ela tem ciência de que é uma crise grave, é uma doença grave, que ela não pode se aglomerar, que ela tem que usar máscara, que ela tem que usar o álcool em gel, que ela tem que lavar as mãos, que nós estamos passando uma fase difícil. Então eu tenho consciência da inteligência do povo brasileiro de compreender que o melhor caminho é a cautela, é a prudência e o reconhecimento de que a ciência que resolverá o nosso problema”.

AUXÍLIO EMERGENCIAL

O presidente do Senado afirmou que o auxílio emergencial pode ser retomado no Brasil próximos 3 meses. “Nós estimamos, esperamos que o auxílio emergencial possa ser retomado no Brasil nos meses de março, abril, maio e junho. Uma reivindicação nossa, que permanecesse por 4 meses no valor ainda a ser definido pelo governo federal.

Há uma expectativa por parte do governo da possibilidade de um valor de R$ 250,00. É um programa que é necessário ser editado, assim como foi feito no ano de 2020. De fato, um grande impacto económico e fiscal para o Brasil, mas absolutamente necessário naquele momento. E, como a pandemia ainda não terminou, e as consequências dela também não, é importante retomar o auxílio”.

PEC DA IMUNIDADE

O senador foi perguntado sobre a chamada PEC da imunidade, um dos temas debatidos na Câmara dos Deputados nesta semana. Pacheco afirmou que “o foco neste momento é o enfrentamento da pandemia”. Outros temas que não têm relação com a COVID-19 não serão discutidos com a mesma urgência.

Fonte: 

- Advertisement -

Ùltimas Notícias

Segundo site, Pazuello terá novo cargo no Planalto

  Após deixar o Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello vai assumir um novo cargo no Palácio do Planalto. A informação é de O Antagonista. De acordo com o site,...

“Ministro é executor de decisões do presidente”, diz Mourão sobre novo ministro

  Nesta terça-feira (16/03), o vice-presidente Hamilton Mourão declarou que qualquer um que ocupe o cargo de ministro é "executor" das decisões tomadas pelo presidente da República....

Congresso promulga PEC Emergencial, que viabiliza retomada do auxílio emergencial

  O Congresso Nacional promulgou em sessão solene nesta segunda-feira (15/03) a Proposta de Emenda à Constituição conhecida como PEC Emergencial, que viabiliza a volta...

Pazuello vai pedir pra sair

    O presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro vai trocar nos próximos dias o comando do Ministério da Saúde, hoje a cargo do general Eduardo Pazuello....

Mega-Sena: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 40 milhões

  Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 2.352 da Mega-Sena, realizado na noite de sábado (13/03) no Espaço Loterias Caixa, no terminal Rodoviário Tietê,...