20.3 C
Brasília
domingo, março 7, 2021

CoronaVac pode não proteger de variante, ao contrário de Oxford, Covaxin, Pfizer e Moderna

A vacina chinesa desenvolvida pela Sinovac em parceira com o Instituto Butantan, a CoronaVac, pode ser ineficiente no combate à variante brasileira do novo...

Vacinação em massa é ‘fator crítico’ para sucesso da economia, diz Guedes

Leia Também

CoronaVac pode não proteger de variante, ao contrário de Oxford, Covaxin, Pfizer e Moderna

A vacina chinesa desenvolvida pela Sinovac em parceira com o Instituto Butantan, a CoronaVac, pode ser ineficiente no combate à variante brasileira do novo...

Brasil poderá ter 6 tipos de vacina contra as infecções do coronavírus

  Mais de 6,5 milhões de brasileiros já foram vacinados contra a COVID-19 com a primeira dose da CoronaVac ou da vacina de Oxford, imunizantes...

Rogério Marinho e Bolsonaro no Patriotas

  O presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro avisou a aliados que anunciará seu novo partido "em breve". Repetiu que o comando da sigla escolhida nos Estados será...

China registra aumento recorde nas exportações no início de 2021

  As exportações da China cresceram 60,6% no primeiro bimestre deste ano na comparação com janeiro e fevereiro de 2020, de acordo com dados anunciados...
Jonas Mellohttps://www.jornaldelesteaoeste.com/
Jornalista radialista e editor-chefe do Jornal de Leste a Oeste e do blog do Jonas Mello

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comemorou hoje os resultados da arrecadação de impostos em 2020, considerados por ele “excelentes”, mas alertou que o sucesso da economia daqui para frente depende da vacinação em massa contra a COVID-19. “Teremos dias melhores à frente, a economia brasileira está voltando”, disse Guedes em coletiva conjunta da Economia e da Receita Federal. “A volta segura ao trabalho é importante e a vacinação em massa é decisiva. A vacinação em massa é um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente”. 

O ministro também parabenizou a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e o Instituto Butantan, corresponsáveis pelas vacinas AstraZeneca/Oxford e CoronaVac, respectivamente, e negou que o governo federal tenha dado preferência à primeira, ainda que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) siga questionando a segunda, mesmo após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA

“A crítica de que nós teríamos ficado numa vacina só simplesmente não cabe. Nós estamos tentando adquirir todas as vacinas, sou testemunha do esforço logístico que está sendo feito. Tem muita gente subindo em cadáveres para fazer política, a população e os eleitores vão saber diferenciar isso lá na frente”, afirmou, sem citar nomes.

- Advertisement -

Ùltimas Notícias

CoronaVac pode não proteger de variante, ao contrário de Oxford, Covaxin, Pfizer e Moderna

A vacina chinesa desenvolvida pela Sinovac em parceira com o Instituto Butantan, a CoronaVac, pode ser ineficiente no combate à variante brasileira do novo...

Brasil poderá ter 6 tipos de vacina contra as infecções do coronavírus

  Mais de 6,5 milhões de brasileiros já foram vacinados contra a COVID-19 com a primeira dose da CoronaVac ou da vacina de Oxford, imunizantes...

Rogério Marinho e Bolsonaro no Patriotas

  O presidente do Brasil Jair Messias Bolsonaro avisou a aliados que anunciará seu novo partido "em breve". Repetiu que o comando da sigla escolhida nos Estados será...

China registra aumento recorde nas exportações no início de 2021

  As exportações da China cresceram 60,6% no primeiro bimestre deste ano na comparação com janeiro e fevereiro de 2020, de acordo com dados anunciados...

Brasil: até abril, 77% dos vacinados no país vão receber a Coronavac

    Até o final de março, 77% das vacinas contra COVID-19 disponíveis no Brasil serão entregues pelo Instituto Butantan. São as Coronavac, chamadas por Jair...